quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Movimento pelo Museu de Arte Sacra (13/12/2017)

             O Salão nobre, no piso superior do Museu Municipal - Patrono Edyr Lima, foi palco no dia 07 de dezembro da apresentação do projeto do futuro Museu de Arte Sacra de Cachoeira do Sul.



Criação do Museu 

         A criação de um Museu de Arte Sacra nasceu pela existência de um amplo acervo de peças sacras, imagens e outros instrumentos símbolos da presença católica em Cachoeira do Sul e região. 

        O acervo atual é preservado pelo Padre Hélvio Cândido, pároco da Igreja Matriz, que num trabalho incansável vem buscando peças de valor sacro e histórico, algumas delas retornando à igreja depois de terem ido embora por motivos vários do nosso passado.

        Só o acervo atual já justificaria a criação do Museu de Arte Sacra em Cachoeira do Sul, mas a possibilidade de doações individuais do grande número de obras espalhadas pela região e em outras paróquias, além da possibilidade de um convênio para divulgação de acervos com o Museu de Arte Sacra de São Paulo, um dos maiores do mundo, justificam o projeto e animam seus incentivadores e voluntários.

ANTEPROJETO
Arquiteto Osni Schroeder apresentou a proposta

            O anteprojeto do Museu de Arte Sacra de Cachoeira do Sul foi apresentado à comunidade cultural no último dia 7, em evento com palestra sobre Arte Sacra e inserção comunitária ministrado pelo parceiro Antonio Sarasá, do Studio Sarasá de São Paulo, que restaurou o Château d'Eau e que tem trabalhos de valorização da arte sacra em vários estados do Brasil.

         O anteprojeto prevê três amplos salões de exposição, constituídos em ambiente único e ligados por rampas de inclinação suave, com áreas de serviço para guarda e restauro do acervo, além de áreas administrativas e de apoio logístico.

        O anteprojeto agora será submetido ao Conselho da Mitra Diocesana para que seja analisado sob vários aspectos. Depois desta etapa será desenvolvido com mais detalhes, pelos arquitetos responsáveis técnicos.




LOCALIZAÇÃO

         O futuro Museu de Arte Sacra será localizado na Travessa Nossa Senhora da Conceição, ao lado da Catedral, em terreno pertencente à Mitra Diocesana de Cachoeira do Sul, que está sendo negociado com seus proprietários.




MOVIMENTO COMUNITÁRIO

           Seguindo modelos anteriores de projetos culturais com participação da comunidade, foi formado o Movimento Pró Museu de Arte Sacra de Cachoeira do Sul. A coordenação institucional é do Padre Hélvio Cândido, sendo coordenadora geral a historiadora Mirian Ritzel e como coordenador adjunto o Arquiteto Osni Schroeder.

           Integram ainda o Movimento: os voluntários Elizabeth e Renato Thomsen, Thiago Cazarotto, Aline Rosa, Ione Sanmartin Carlos, Armando Fialho Fagundes, Ione Rosa, Jussara Garske, Catiele Fortes e muitos outros parceiros.


SUB GRUPO PROJETO

             O grupo formado pelos arquitetos Elizabeth Thomsen, Catiele Fortes, Thiago Cazarotto e Osni Schroeder ficaram responsáveis pela elaboração do projeto e documentações pertinentes.


PADRE HÉLVIO

        O responsável pela Paróquia da Matriz ressaltou o apoio da Igreja Católica à ideia de criação do Museu de Arte Sacra em Cachoeira do Sul, salientando também a importância não só para os frequentadores católicos mas sim para toda a comunidade.

Padre Hélvio deu detalhes dos preparativos e da
importância deste museu no Centro Histórico


ANTONIO SARASÁ

        O painelista do evento discorreu sobre a valorização da espiritualidade presente na arte sacra e sua relação com o Homem, nas suas várias dimensões e tempos. Ensinou que mais vale a arte sacra religar o Homem com Deus, do que propriamente o seu valor histórico e cultural.

Antônio Sarasá, restaurador do Château d'Eau, está
colaborando com a iniciativa e palestrou sobre arte sacra

        O restaurador, parceiro do Museu, relatou ações do Studio Sarasá em atividade semelhante, na cidade de Recife/PE, junto às comunidades periféricas.



Profª Mirian Ritzel é a Coordenadora Geral dos voluntários
Surge um novo movimento para a preservação 
do Patrimônio Histórico cachoeirense








Texto: Osni Schroeder    Fotos: Renato Thomsen


       
IMPRENSA


O Jornal do Povo noticiou a apresentação do projeto:

sábado, 11 de novembro de 2017

3º BECmb comemora 100 anos (11/11/2017)

O centenário Batalhão Conrado Bittencourt



              Parceiro de primeira hora dos Movimentos pela restauração da Ponte de Pedra, do Paço Municipal e agora da Estação Ferreira, o 3º Batalhão de Engenharia de Combate comemorou na manhã de ontem, 10 de novembro de 2017, os 100 anos da sua fundação.
            

               Após a transmissão de um histórico das atividades de cooperação internacional em áreas de conflito e da integração dos militares com seu trabalho em prol da comunidade, o atual Comandante do Batalhão Coronel Guilherme Stagi Hossmann agradeceu a presença dos convidados e dos ex-comandantes da unidade, entre eles o Cel. Marcus Vinicius Fontoura de Melo e o Cel. Paulo Fernando Curci Curti - parceiros que trabalharam muito para o sucesso na recuperação do monumento Ponte de Pedra e da edificação histórica do Paço Municipal. 


         Durante a solenidade o Comandante Hossmann concedeu o diploma "Amigo do Centenário" para 39 cachoeirense que se destacaram em suas atividades profissionais de colaboração, amizade e apoio ao Centenário do Batalhão. 

         O Coordenador da restauração da Estação Ferreira, Arquiteto Osni Schroeder, criador do projeto do monumento dos 100 anos foi um dos agraciados pela homenagem.
  


              Após a entrega dos diplomas, o Cel. Hossmann depositou uma "cápsula do tempo" sob o monumento, para ser aberta em 2117.



           Esta mensagem para o futuro fica em substituição à urna descoberta quando da construção do atual monumento, que foi analisada e teve seu conteúdo limpo e organizado pela equipe do Arquivo Histórico Municipal (link abaixo) :




Desfile dos veteranos   (Fotos: Renato Thomsen)



IMPRENSA


              O Jornal do Povo, edição digital de 10 de novembro de 2017, noticiou o evento comemorativo:




              O jornal digital O Correio, edição de 10 de novembro de 2017, noticiou o evento comemorativo:





            O Jornal do Povo, edição de 09 de novembro de 2017, publicou reportagem sobre a "cápsula do tempo" encontrada sob o monumento dos 100 anos, em construção:



Foto: Eduardo Schroeder


quarta-feira, 4 de outubro de 2017

ESTAÇÃO FERREIRA - 3º BECmb inicia preparo para restauração (04/10/2017)

MARCA NA NOSSA MEMÓRIA CULTURAL

         Hoje, dia 04 de outubro de 2017, ficará marcado na memória cultural cachoeirense como o início efetivo das obras de restauração da antiga Estação Ferroviária da Ferreira.



        A histórica estação (de propriedade do Município de Cachoeira do Sul) está cedida por convênio à Associação Cachoeirense de Amigos da Cultura - AMICUS, para que esta procure viabilizar ações que recuperem a edificação que é protegida por tombamento, em nível municipal.




        Hoje iniciaram os trabalhos de limpeza da edificação, limpeza da área externa e principalmente de cercamento da área com vistas à proteção do prédio e de pessoas desavisadas que a ele acessam correndo risco de acidente, considerando as condições de segurança frágeis.

       Os trabalhos foram coordenados pelos arquitetos Elizabeth Thomsen e Osni Schroeder, apoiados pelo parceiro Renato Thomsen nos registros de filmagem e fotografia.

 

         A execução é feita com o apoio do 3º Batalhão de Engenharia de Combate, que cedeu a mão de obra, assim como de outros parceiros voluntários que estão se mobilizando com o projeto.


ACESSO FECHADO


          O antigo acesso à velha estação será fechado. O novo acesso se dará pelo terreno lateral ao Posto de Saúde, localizado à direita da edificação.



PLANEJAMENTO
            Foi realizado um levantamento indicando a ocupação irregular de algumas áreas da estação. Após a finalização do documento ele será encaminhado para o Executivo Municipal, com pedido de providências. Nas atividades do dia, decidiu a AMICUS ser rigorosa no combate às novas invasões e não tomar atitudes que prejudiquem o ir e vir de famílias que ocupam atualmente aquela área do município cachoeirense.


           O cercamento da edificação procura consolidar, para fins de informação, a situação atual de invasões e de área remanescente da estação ferroviária.


EXECUÇÃO DOS TRABALHOS

           O sargento Leandro Leonel Schwantz coordena um grupo de seis soldados nos trabalhos atuais. A logística da operação é projetada pelo tenente Carlos Scherer e ainda há o apoio do senhor Giovani Santos na operação do trator que realiza a perfuração de buracos para colocação de moirões.



TRABALHOS DO DIA

 1. Limpeza parcial das dependências da antiga estação, com remoção de
 restos de materiais de construção e terra oriunda de movimentações diversas


 
 2. Abertura de buracos e colocação de moirões

         Amanhã, dia 05 de outubro, continuarão os trabalhos com o início da colocação de arames farpados para definição de novo cercamento.



ESTADO DO PRÉDIO


         O antigo prédio apresenta condições precárias de conservação. Muito pouco há a preservar. Muito terá de ser reconstruído nas condições originais - que estão perfeitamente documentadas pelo grupo de parceiros voluntários, especialmente com fotografias do casal Renato e Elizabeth Thomsen.


TELHADO DO SOBRADO



        Provavelmente o sobrado terá seu telhado restaurado a partir de novembro deste ano, dependendo da disponibilidade de pessoal do 3º Batalhão de Engenharia de Combate. O telhado demonstrado na foto, já tem todos os materiais adquiridos pelo Município de Cachoeira do Sul, com verba oriunda de sobras orçamentárias da Câmara de Vereadores, do ano de 2016.


TELHADO DO PAVILHÃO


O telhado, como as fotos mostram, está bastante deteriorado


         Este telhado apresenta uma técnica especial na execução das suas tesouras de madeira, que serão preservadas em parte - como forma de documentar uma tecnologia construtiva de telhados do século 18. A estação ferroviária da Ferreira foi inaugurada por volta do final dos anos 1880.


Texto: Osni Schroeder     Fotos e Vídeo: Renato Thomsen


Ao final do dia a cerca era finalizada
 
Fotos: Osni Schroeder


Vídeo
Pequeno vídeo de 5 minutos, com vistas aérea
e interior da antiga Estação Ferroviária Ferreira


    "A Estação Ferreira foi inaugurada em 1885 no local denominado Passo D'Areia pela E. F. Porto Alegre-Uruguaiana, no seu segundo trecho construído, o Cachoeira-Santa Maria. Seu nome vem do arroio Ferreira, tributário do rio Jacuí, ao lado do qual a estação está situada. Em 1973 a estação foi desativada com a abertura da variante Ildefonso Fontoura-Pertile. Os trilhos foram retirados posteriormente. Sediou uma unidade sanitária da Prefeitura, mas hoje está abandonada."

   Os voluntários da Ponte de Pedra, com o apoio do 3º BECmb,
 da comunidade cachoeirense e da Prefeitura Municipal,
 estão mobilizados para restaurar a Estação Ferreira.